Prostituição Infantil no Brasil e a Copa do Mundo

October 19, 2016

Com o início da Copa do Mundo de 2014 chegando rapidamente, ainda tem muita preocupação se o Brasil vai conseguir terminar as construções antes da sua estréia contra a Croácia, no dia 12 de junho. Menos de 100 dias antes do apito inicial, estádios em 4 das 12 cidades-sede permanecem sob construção, assim come grande parte dos locais ao redor dos estádios e a infraestrutura dos transportes.

O que fica ignorado, no entanto, é a quantidade de trabalho que falta para o Brasil enfrentar o seu problema endêmico de tráfico sexual.

Talvez vocês se lembrem, da Copa do Mundo de 2010 na África do Sul, a imagem dos futebolistas saindo dos túneis antes de cada partida, cada um escoltado por uma criança. Segundo o site de marketing da FIFA, o programa “Sonho de Craque” de McDonald’s oferece às crianças uma “oportunidade única na vida” para entrar em campo com os seus jogadores preferidos. No entanto, mesmo sendo uma oportunidade maravilhosa, ela esconde o fato de que, para cada criança que vai poder escoltar um futebolista durante a Copa do Mundo, todos os dias no Brasil entre 175 e 350 crianças são forçadas a trabalhar como "escoltas sexuais.”

Segundos os dados mais atuais da UNICEF, existem cerca de 250.000 trabalhadoras infantis do sexo atualmente no Brasil. Estimativas do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI) dobra este número a meio milhão de crianças. 

Até agora, o governo brasileiro gastou mais de R$ 33 bilhões na construção e nas propagandas para a Copa do Mundo. Ao mesmo tempo, o Brasil está gastando pouco dinheiro na luta contra o tráfico sexual dentro de suas fronteiras. Isso inclui um esforço insuficiente para melhorar o sistema de educação pública e reduzir a pobreza, dois dos maiores fatores contribuintes que uma criança se torne mais vulnerável ao tráfico sexual. 

Isso é um grande problema para um país que não é apenas o maior destino de tráfico sexual na América do Sul, mas também um dos maiores do mundo. Outro problema sendo que a idade de consentimento é de 14 anos e onde a pobreza, particularmente na região do nordeste, leva aos pais a venderem as filhas à prostituição para fornecer a família com uma renda extra. A situação é particularmente grave em Fortaleza e Recife, dois dos principais destinos de turismo sexual do país e onde é comum ver as meninas pobres serem vendidas pelos pais aos cafetões.

Infelizmente, o governo não só está fazendo pouco para combater o tráfico sexual, mas também está em muitos aspectos fazendo com que o problema piore. Em 2012, por exemplo, o Tribunal de Justiça de São Paulo absolveu um homem acusado de estuprar 3 meninas com 12 anos de idade, porque elas já se prostituiam. No ano passado, o governo foi criticado muito após lançar a campanha “Eu sou feliz sendo prostituta.” E este ano em Belo Horizonte, a sexta maior cidade do Brasil, a Associação das Prostitutas de Minas Gerais (APROSMIG) começou ajudar as trabalhadoras do sexo aumentarem o lucro delas, fornecendo-lhes aulas grátis de inglês. 

Agora as ONGs brasileiras e internacionais têm medo de que o problema de tráfico sexual no país vai piorar durante a Copa do Mundo, quando a demanda por serviços sexuais aumentar junto com os cerca de 600 mil turistas estrangeiros que chegarão com US$ 11 bilhões em dinheiro disponível.

O passado nos mostra que essas ONGs apresentam um cenário correto. Durante a Copa do Mundo de 2010, cerca de 40.000 mulheres e crianças foram traficadas para a África do Sul para serem exploradas como prostitutas. Além disso, enquanto o tráfico sexual e a prostituição infantil é um problema continuo no Brasil e em todas as maiores cidades (incluindo todas as 12 cidades-sede da Copa do Mundo), a demanda de serviços sexuais aumenta drasticamente durante eventos de grande porte, incluindo o Carnaval e a Copa das Confederações que o Brasil sediou no ano passado. 

Desde 2005, a Copa das Confederações é realizada no mesmo país que vai sediar a Copa do Mundo no ano seguinte. Resultando que nos últimos anos, a Copa das Confederações tornou-se um ensaio geral de preparação do país-anfitrião para a Copa do Mundo. Ao mesmo tempo, os cafetões e traficantes brasileiros também estão se preparando para acomodar o aumento da demanda por sexo da parte dos turistas da Copa do Mundo. 

Qualquer fã de futebol internacional sabe que, dia 12 de junho, a seleção brasileira estará pronta para enfrentar a Croácia. O que fica em dúvida é se o Brasil estará pronto para enfrentar o tráfico sexual.

 

About Author(s)

Peter Yehl
Peter Yehl is a 2nd year Master of International Development student at the Graduate School of Public and International Affairs, University of Pittsburgh. He is also currently seeking a certificate in Latin American Social and Public Policy. Peter holds a B.A. in International Relations and Modern Languages from Duquesne University, and has previous work experience in India, El Salvador, Germany, Haiti and the Dominican Republic.